Poder e Cotidiano em Sergipe
Senado vai analisar PEC que permite redução dos salários de servidores 10 de Setembro 5H:36
PODER | Por Max Augusto

Senado vai analisar PEC que permite redução dos salários de servidores

Está na pauta de hoje da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) do Senado a proposta de emenda à Constituição (PEC 438/18) que permite a redução de salários de servidores e a interrupção do pagamento do abono salarial do PIS/Pasep para que o governo consiga cumprir a regra de ouro das finanças públicas.

Essa norma determina que as operações de endividamento não podem ser feitas em valor superior às despesas com investimentos e amortização da própria dívida, chamadas de despesas de capital.

A regra foi descumprida pela primeira vez neste ano, quando o Congresso teve de autorizar um crédito suplementar de quase R$ 250 bilhões para contornar o problema. Várias despesas orçamentárias ficaram condicionadas à aprovação.

Embora esteja prevista na pauta de terça-feira, é provável que alguns deputados peçam vista da proposta e, assim, a votação seja adiada por duas reuniões.

Medidas mais rigorosas
O Executivo já afirmou que apoia medidas mais rigorosas de equilíbrio fiscal. Autor da PEC 438/18, o deputado Pedro Paulo (DEM-RJ) defende o fim da possibilidade do envio de crédito suplementar.

"O governo está descumprindo a regra de ouro. Endivida-se para pagar despesas correntes. E a correção disso não é simplesmente um pedido para gerar mais dívida. Temos de corrigir o problema", diz Pedro Paulo.

Pela proposta, quando as operações de crédito atingirem 95% das despesas de capital, o governo já poderá suspender reajustes, concursos e criação de cargos, além de limitar benefícios fiscais.

Em caso de excesso de operações de crédito, que é a situação atual, o Executivo poderá também reduzir salários dos servidores por um ano com redução de jornada; interromper o pagamento do abono salarial do PIS/Pasep no ano seguinte; exonerar servidores não estáveis e aumentar a contribuição previdenciária, entre outras ações.

Na visão do deputado Aliel Machado (PSB-PR), entretanto, algumas medidas podem agravar o funcionamento do Estado: "É preciso, sim, debater uma forma de desinchar a máquina pública, de ter mais transparência e diminuir custos, mas não em serviços essenciais."

Outra proposta
Outra PEC do deputado Pedro Paulo (PEC 423/18) em tramitação na CCJ determina que o descumprimento da regra de ouro por três anos consecutivos possibilitaria a demissão de servidores estáveis. Atualmente, essa permissão só é dada se o ente federativo descumprir o limite de gastos com pessoal da Lei de Responsabilidade Fiscal. Para o Executivo, ele é de 40,9% da receita corrente líquida. Hoje o gasto está em torno de 28%.

As propostas também determinam que o descumprimento da regra de ouro no último ano do mandato em valor superior ao do ano anterior sujeita o chefe do Poder Executivo a ficar inelegível por oito anos.

 

Da Agência Senado

Comentários

  • Seja o(a) primeiro(a) a comentar!

Deixe seu comentário

Imagem de Segurança
* CAMPOS OBRIGATÓRIOS
Whatsapp

Receba notícias no seu Whatsapp.

Cadastre seu número agora mesmo!

Houve um erro ao enviar. Tente novamente mais tarde.
Seu número foi cadastrado com sucesso! Em breve você receberá nossas notícias.